sábado, 22 de junho de 2013

Ódio, Amor, Perdão e a busca pela paz interior


Nos dias atuais, nesta imensa massa humana que habita a Terra, as palavras: ódio, amor e perdão ainda não são totalmente bem assimiladas pelo ser humano.
O ódio, este sentimento mundano é mais comum do que imaginamos.
As pessoas ocultam este sentimento e guardam-no dentro do coração, inflamando sentimentos e criando mágoas  e ressentimentos que se tornam verdadeiros lodos em nosso organismo.
Este sentimento tão bem camuflado é causado pelo ciúmes, inveja, orgulho, desentendimentos mal resolvidos, julgamentos pré-concebidos, entre outras tantas ciladas criadas pelo próprio ser humano.
Causa prejuízos para todos os envolvidos, tanto para quem é alvo dele, como para quem libera este sentimento tão destrutivo.
É através do ódio que se desfazem vínculos familiares e de amizades.
É através dele que se criam inimigos, desafetos por séculos, tanto no plano espiritual, quanto nas vindouras encarnações futuras.
O espírito ainda desconhecedor do amor e do perdão cria uma grande simbiose com seu desafeto, e faz com que esta ligação se perpetue indefinidamente, trazendo-lhe sofrimentos, instabilidade emocional e uma angústia que não lhe permite ter paz.
Na grande maioria dos casos estes sentimentos tão negativos ao ser humano não são sanados na encarnação em curso.
É necessário que estes espíritos se aproximem novamente em nova roupagem terrena, para que possa haver a devida reconciliação.

sexta-feira, 14 de junho de 2013

Livro: Nas Garras do Tempo


Nas Garras do Tempo
Autora: Rita Ramos Cordeiro
pela inspiração do Espírito Juvenal
Mythos Editora 


Resumo do Livro:
Ódio, amor e perdão são os ingredientes principais desta obra. Ela nos mostra a trajetória de espíritos que, por séculos, estiveram juntos para aprender, através dos erros do passado, a se reconciliar com seus companheiros de jornada em vidas futuras.
O livro conta a história de Manuel, jovem idealista que, por meio da Doutrina, descobre o verdadeiro sentido do amor e da solidariedade. 
Na companhia de um grupo de amigos, dedica-se à caridade auxiliando moradores de rua, levando às pobres almas o amor que Jesus nos ensinou. Porém, interesses pessoais de gente influente da época tentam impedir que o abnegado trabalho seja feito.
De forma envolvente, o enredo tecido pelo espírito Juvenal mostra as perseguições sofridas pelos jovens, ensinando-nos que apenas o amor e o perdão são capazes de desfazer o manto de ódio e ressentimentos que encobre o coração de muitos irmãos.

segunda-feira, 10 de junho de 2013

A Benção do Recomeço



Cada dia que acordamos e temos a benção da vida é um recomeço...
Cada passo que seguimos adiante na estrada da vida, é um recomeço...
Um recomeço necessário que nos afasta mais e mais do passado.
Um recomeço que nos distancia das mágoas e ressentimentos e nos aproxima do esquecimento de situações sofridas.
Quantas pessoas querem sinceramente corrigir e melhorar sua existência, procurando deixar os sofrimentos e dores no passado...
Quantas e quantas pessoas ainda sofrem, desejando recomeçar, esquecer, perdoar e não sabem por onde começar.
É um equívoco comum para quem ainda não se deu conta da benção que a Espiritualidade Maior e o Universo nos concede a cada dia.
Não é fácil esquecer algo que nos fez sofrer e nos magoou, como não é fácil perdoar e ser perdoado.
Isso requer paciência, resignação, perseverança, sabedoria, e tudo isso só é adquirido com o tempo.
O tempo é um sábio companheiro que nos permite avaliar tudo o que passamos, sofremos, erramos e fracassamos.
O tempo nos permite inclusive descobrir que não somos as vítimas que imaginamos ser.
Que a cada ação que tomamos há uma reação sendo executada a nosso redor.
Que nossos pensamentos e nossas atitudes nos levam ao caminho da Paz, da felicidade ou da tristeza e da dor.
O tempo nos ensina a entender que cada ser humano é passível de erros, sendo assim também possível reparar e corrigir erros.

terça-feira, 4 de junho de 2013

Tristeza - Uma infeliz opção de vida


Ao ler este título, podemos pensar: Como alguém pode considerar a tristeza uma opção de vida?
A tristeza é um sentimento que toma conta do coração de quem o sente, fazendo com que tudo a sua volta não tenha sentido ou importância na vida.
É um sentimento difícil de vencer e que corrói o coração do ser humano, tirando-lhe todas as perspectivas de vida, muitas vezes fazendo com que não se tenha mais vontade de viver.
Então como dizer que a tristeza é uma opção de vida?
A tristeza é uma erva daninha que vai se infiltrando no coração do ser humano, tirando-lhe toda força e confiança em Deus.
Ao deixá-la se infiltrar no coração, permitimos que ela nos domine, nos afastando de Deus e dos protetores espirituais que procuram nos amparar com seu amor e dedicação.
E com isso se abre um enorme buraco a nossa volta, nos afundando mais e mais.
E com tanto negativismo levamos conosco pessoas que nos amam e nos querem bem.
Não se percebe, envolvidos em tanta tristeza, que abrimos a porta para o egoísmo.
A tristeza faz com que vivamos num mundo só nosso, não permitindo a aproximação de mais ninguém.
Assim, nos sentimos a pior das criaturas, sentindo-nos injustiçados e abandonados em nossos sofrimentos e infortúnios.
Nada disso é real e verdadeiro.